A aventura de um lamecense perdido em terras andinas!
Domingo, 30 de Dezembro de 2007
Piro manias

Quando era miúdo delirava com o fogo. Acender o lume nas lareiras das casas dos meus avós era um vício, que levava ao clássico comentário do "...xixi na cama....".

Na altura gostava muito de ver os diferentes materiais a arder, de diferentes formas, a libertar odores e cores diferentes. Ainda hoje há algo de mistico em observar o fogo, para mim.

 

Não, não ando ou tenho tendências piromanas, so que no outro dia numa das minhas infindáveis viagens a solo, me lembrei de um detalhe, de tão inusual passatempo, como é observar o fogo.

 

Há diferentes tipos de materiais, e como eu disse de maneira distinta reagem ao fogo e ao calor. O caso da madeira é clássico. O pinho e o eucalipto tão massificados ardem com uma espetacularidade única. A chama é viva, muito quente logo de início e libertam-se cores e cheiros fortes. O pinho então como madeira resinosa que é, é uma mistura de cheiro e de uma facilidade de inflamação impressionante. Mas com a velocidade como se inicia assim  termina, sem deixar rasto ou vestígio.

Estas são as madeiras hoje em dia que estão em voga. Crescem mais depressa que todas as outras, permitem o corte com menos tempo de vida, adaptam-se melhor ao ritmo do nosso dia a dia. E ardem da mesma forma, intensa e muito rápida.

 

Depois há as madeiras nobres, outras madeiras como o carvalho por exemplo, que na sua maior parte são de arvores autoctones dos diferentes países. São arvores que demoram a crescer, necessitam cuidados, muitas delas que produzem frutos. Quando se usam para o lume, ardem de uma forma completamente distinta. Custa a começar, exigem trabalho, uma pinha, uma acendalha, algum papel e alguma dose de paciência.

Resistem ao fogo assim como resistiram à passagem do tempo, mesmo depois de talhadas e recortadas para o lume.

Quando finalmente começam a arder, o efeito é menos espetacular, os cheiros são mais suaves, a chama é menos luminosa, mas a duração.... O fogo que as consome, é também ele consumido por elas, produzindo o melhor carvão... que pode ainda ser novamente utilizado. O calor dura horas e horas, acompanha as noites frias, leva os cozinhados até ao ponto, fumega ja o dia nasceu hà horas...

 

Estas são também as madeiras esquecidas, aquelas que poucos hoje vêm necessidade em plantar, as que não dão resultados imediatos.

Tenho muita pena. Sempre as preferi. O fogo como todos os elementos e os extremos do nosso planeta mostra-nos a verdade e a fragilidade da nossa natureza.

 

Tenho saudades de observar o lume....

 



publicado por Llama Nando às 13:29
link do post | favorito
|

Quién soy yo????
posts recentes

Esperando o Inesperado!

Que grande volta!!!!

2007...2008

Piro manias

Italia che cosa voglio fa...

Adeus Santiago!

Ferias em Buenos Aires e ...

Viagens pelos antípodas.....

Mais um historria de Crrr...

Rapa Nui. A minha viagem ...

arquivos

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

pesquisar
 
links
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

28
29
30
31


Visitantes
plants
plants Counter
Info
Mapa do Chile

blogs SAPO
subscrever feeds